Levitra Vendita Comprare Propecia Acquisto Female Viagra Acquisto Cialis Jelly Viagra Super Active Levitra Originale Viagra online Levitra Compresse Divisibili Disfunzione Erettile Ecografia Comprare Priligy Viagra Generico Comprare Brand Cialis Kamagra Oral Jelly Viagra Originale 100mg Acquisto Kamagra Flavored Propecia Generico Comprare Levitra Comprare Viagra Jelly

Conselho mantém cobrança bilionária contra banco privado

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) manteve uma autuação fiscal bilionária recebida pelo banco privado por causa de programa de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e bônus de contratação (hiring bônus). O banco vai recorrer da decisão.

A cobrança é de R$ 1,2 bilhão, de acordo com o Formulário de Referência de 2017 do banco. O banco considera a chance de perda possível na maior parte do processo (R$ 960 milhões) e o restante, provável (R$ 246 milhões).

A instituição financeira distribuiu lucros aos seus empregados nos anos de 2009 e 2010 por meio de três programas de participação em resultados realizados e compensados entre si. Durante a fiscalização, a Receita verificou que parte dos empregados recebeu pagamentos de distribuição de lucros em mais de duas parcelas no mesmo ano. A Receita considerou o pagamento de bônus de contratação como salário contribuição.

No processo, o banco alegou que a parcela de pagamentos efetuada acima da periodicidade era necessária para a quitação dos valores. Para o Itaú, esse procedimento não altera a natureza dos pagamentos.

No caso do bônus de contratação, o banco entende que não incidiria a contribuição previdenciária porque ele é anterior ao contrato de trabalho. Além disso, afirma que esse montante não tem natureza remuneratória.

Já a PGFN considera que o PLR deve atender aos requisitos da Lei nº 10.101, de 2000, para não incidir a contribuição previdenciária sobre os valores.

Para a procuradoria, o pagamento de bônus de contratação é vinculado ao trabalho a ser realizado e deve integrar a base de cálculo das contribuições previdenciárias. A PGFN considera que a quantia paga é um adiantamento por causa de compromisso assumido pelo futuro empregado de trabalhar no banco por um determinado prazo e de cumprir metas.

Julgamento

No julgamento pela 2ª Turma da 2ª Câmara da 2ª Seção do Carf (processo nº 16327.720550/2014-18), por maioria de votos, prevaleceu o voto do relator, conselheiro Ronnie Soares Anderson. Representante da Fazenda no conselho, ele negou o pedido do banco.

O relator não aceitou o argumento sobre a aplicação da jurisprudência da época da operação, conforme estabelece alteração recente na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (Lindb). A Câmara Superior do Carf já decidiu que essa mudança na lei não se aplica aos casos no conselho.

Sobre o mérito, o conselheiro considerou que a PLR estava em desconformidade com a periodicidade de pagamento, superior a duas vezes no mesmo ano. E manteve a cobrança sobre o bônus de contratação.

Em nota, o banco afirmou que respeita a decisão do Carf. Porém, entende que os pagamentos de participação nos resultados aos seus colaboradores foram efetuados seguindo rigorosamente a legislação aplicável e, portanto, vai analisar o acórdão e recorrer da decisão.

Related Posts

viagra precio en farmacia viagra masculina cialis efectos secundarios cialis venta kamagra sobres kamagra oral jelly opiniones levitra generico precio viagra generica viagra generico kamagra oral jelly kamagra precio levitra generico levitra sin receta viagra for sale nz viagra online nz cialis pills nz cialis new zealand kamagra gel nz buy levitra nz viagra nz cialis nz